Sexta-Feira
28 de Maio de 1999

Biologia: doenças emergentes

Temos um mundo cada vez mais infeccionado. Nas duas últimas décadas surgiram cerca de trinta novos agentes infecciosos isolados. Anualmente, morrem cerca de 30 milhões de pessoas no mundo todo, vítimas de contaminação por vírus, bactérias ou protozoários. Mas o pior disso tudo é que muitos desses novos males são velhos conhecidos, que voltam com força total, mais fortes e resistentes.

Entretanto, às vezes, quem muda são os vetores - animais que servem de intermediários na transmissão do agente infeccioso para o homem.

Os cientistas costumam chamar as doenças conhecidas apenas neste século de emergentes, enquanto aquelas que voltaram a afligir a humanidade depois de um longo período de trégua são chamadas reemergentes ou ressurgentes.

As seis principais causas das doenças emergentes são:

1. Os grandes aglomerados urbanos.

2. As correntes migratórias e as viagens internacionais.

3. As mudanças tecnológicas e industriais.

4. O desmatamento e o reflorestamento desordenados.

5. A melhoria da qualidade de vida

6.A adaptação e mudanças microbianas.

Por que alguns microorganismos que andavam sumidos voltaram? Mesmo aqueles que pareciam estar sob controle? Hoje eles matam 50.000 indivíduos por dia em todo o planeta. Entre as doenças emergentes no Brasil, podemos destacar: Febre Amarela, Cólera, Tuberculose, Dengue, Hantavirose, Leishmaniose, Filariose, AIDS e Malária.

Dengue - O mosquito tem todas as condições para se multiplicar e expandir a doença:

Há quatro tipos de vírus da dengue, transmitidos pelo mosquito Aedes aegypti através de sua picada. Quando um dos tipos invade o organismo, ataca as articulações e os músculos. O problema é maior quando a pessoa é contaminada depois por um segundo tipo de vírus, pois ele vai se alojar nos vasos sangüíneos, causando hemorragias que podem ser fatais.

Leishmaniose - Seu transmissor veio para as cidades com os desmatamentos:

O Flebótmo (mosquito-palha) é o vetor de um protozoário flagelado chamado Leishmania brasiliensis que normalmente provoca lesões na pele. Mas, em 1 a 2%das vítimas, o leishmânia imobilliza as células imunológicas, deixando o organismo indefeso, como acontece na AIDS.

Tuberculose - Considerada uma doença descartada, voltou devido à resistência da bactéria aos remédios existentes: O causador da tuberculose é uma bactéria conhecida como Bacilo de Koch, sendo que a contaminação é por via oral, por gotículas da saliva dos doentes. Num novo hospedeiro, a bactéria instala-se nos pulmões e forma aglomerados em forma de tubérculos ou nódulos, comprometendo o sistema respiratório.

Hantavirose - Doença que não recebeu a devida importância quando surgiu nos anos 50, hoje mostra a sua força.

Doença causada pelo hantavírus que vive em ratos silvestres. A contaminação ocorre quando os indivíduos respiram partículas da saliva ou dos excrementos desses animais. O vírus ataca os pulmões e os rins, onde inibe a sua capacidade de filtrar o sangue. A maioria dos doentes já chega ao hospital com os rins danificados, pois os primeiros sintomas da infecção são muito confundidos com uma gripe e a pessoa não tem o tratamento correto.

Cólera - A infecção alastra-se novamente.

O Vibrio cholereae é uma bactéria em forma de bastonete contraída por via oral e que libera toxinas que irritam as paredes do estômago, ocasionando crises intermináveis de vômito. Já o intestino, também afetado pelas toxinas, tenta expulsá-la em fortes diarréias. Tudo isso provoca uma grande perda de água, podendo até levar à morte por essa desidratação.

AIDS - Nenhum vírus é tão temível quanto o HIV. Ele atua infiltrando-se nas defesas do corpo para destruí-las.

Enquanto outros vírus se limitam a atacar órgãos e tecidos específicos, o vírus da imunodeficiência humana (HIV) destrói células fundamentais do sistema imunológico, os litufócitos T, abalando seriamente a defesa do organismo que passa a não ter mais como resistir aos vírus e às bactérias presentes no meio ambiente e que seriam normalmente destruídos.

Febre Amarela - Um mal que ameaça, cada vez mais, os centros urbanos.

Doença causada por um vírus quepode ser transmitido por dois tipos de mosquito, o Aedes aegypti (mesmo da dengue) em áreas urbanas ou o Haemagogus em regiões de mata. O vírus ataca o sistema digestivo, principalmente o fígado, que é muito prejudicado em seu funcionamento, o que leva a uma produção excessiva de bile. Há casos, inclusive, em que a doença pode tornar-se crônica.

Filariose - De todas as doenças infecciosas derivadas de condições miseráveis de vida, é uma das mais temidas.

O estrago provocado pelo verme Wuchereria bancrofti dentro dos vasos linfáticos é avassalador, pois pode entupi-los e causar lesões terríveis, mais conhecidas como elefantíase - nome dado ao inchaço exagerado dos membros, principalmente pernas e pés, que ficam tão grossos que lembram os dos elefantes. O Brasil é um país de maior incidência no mundo por causa das boas condições para a proliferação do mosquito Culex quinquefasciatus, transmissor da doença.