Recife, Domingo, 15 de Novembro de 1998

Produtos veterinários fazem sucesso entre usuários humanos

Shampoos, pomadas e fortificantes para unhas são os mais procurados

Mônica Crisóstomo
Da equipe do DIARIO

Uma estranha mania vem chamando a atenção dos proprietários de lojas especializadas em produtos veterinários: o aumento da procura de produtos de uso animal para aplicação em seres humanos. Essa inusitada clientela consome uma vasta linha de produtos. São cremes, pomadas, shampoo, sabonetes e até anti-inflamatórios. Os médicos garantem que a prática é antiga, mas vem crescendo assustadoramente nos últimos seis anos. O alerta dos profissionais chama a atenção para os riscos que correm os usuários desses produtos, que não procuram nenhum tipo de orientação médica.

Segundo o médico-veterinário, Arionaldo de Sá, o grande perigo desse tipo de prática é a falta de informações sobre a dose e a forma de aplicação dos produtos. "De uma forma geral quase todos os remédios feitos para uso veterinário têm fórmulas similares aos usados por humanos. Casos isolados, como os anabolizantes devem ser usados exclusivamente em animais. O que acontece é que as bulas desses produtos trazem informações para o uso veterinário, levando em consideração o peso, tamanho e outras características animais. É praticamente inexistente a possibilidade de alergias ou problemas sérios ocasionados pelos componentes químicos desses produtos", afirmou.

FEBRE - Para a manicure Edilza Freire a primeira experiência com produtos destinados a uso veterinário aconteceu após a indicação de um médico. "Minha filha tinha um sério problema de unhas quebradiças. Por qualquer coisa suas unhas rachavam. Era um sofrimento. Decidi procurar um especialista e ele receitou o Casco de Cavalo. Uma espécie de esmalte utilizado nos cascos de eqüinos para evitar que se quebrem. O resultado foi impressionante. Além de ficarem resistentes as unhas ganharam um brilho especial. Eu uso nas minhas clientes e elas gostam muito", afirmou.

Para a auxiliar de cartório, Magnólia Maria Alves, a única desvantagem em continuar a usar o shampoo para cavalos da linha Main e Tails (Crina e calda) foi o preço do produto. "Eu conheci o shampoo durante a exposição de animais no ano passado. Resolvi experimentar e não me arrependi. Meus cabelos ganharam brilho e volume, mas infelizmente não pude continuar com o produto por causa do preço. Se não fosse isso teria sempre a mão o shampoo e o condicionador. O cheiro é muito gostoso. Nunca havia conseguido deixar meu cabelo tão suave e macio", lembrou. O frasco do produto com 300 ml custa uma média de R$ 12,00. O triplo de shampoo comuns de uso humano.

Segundo Arionaldo Sá o segredo do shampoo para cavalos está em um de seus componentes químicos: a lanolina. "A lanolina é um produto caro. Por isso a maioria dos fabricantes de shampoos usa quantidades mínimas do produto. No caso da linha veterinária isso não acontece. Por isso os efeitos prometidos nas embalagens realmente acontecem. O que justifica a diferença de valores", avaliou.

O judoca P.M.L. que prefere não se identificar, garante que os anti-inflamatórios de uso veterinário são largamente utilizados no meio esportivo. "A maioria dos atletas têm sérios problemas de lesões musculares. Como tempo os analgésicos e anti-inflamatórios receitados pelos ortopedistas e traumatologistas não fazem mais efeito. Por isso a saída é partir para os remédios veterinários. Os treinadores e os médicos das equipes condenam, mas a maioria sabe que usamos os medicamentos. É uma questão de necessidade", argumentou. De acordo com Arionaldo a eficácia do produto não difere dos similares normalmente prescritos para humanos. "É uma ilusão. O que acontece é que os medicamentos veterinários vêm em doses e misturas mais fortes. O que aumenta sua potência. Os resultados podem ser similares com a aplicação de medicamentos para uso humano combinados por um profissional sério", explicou.


Anabolizantes são perigosos

Fale conosco diario@dpnet.com.br

MAPA BRASIL ECONOMIA ESPORTES HISTÓRIA HUMOR
INFORMÁTICA INTERIOR MUNDO VEÍCULOS VIAGEM VIDA URBANA VIVER